17 abr

Entrevista com Gilberto Lima Filho

“Arquitetura é paixão que dá um leque de possibilidades pra se desenvolver profissionalmente”

Arquiteto e Engenheiro Civil Gilberto Lima Filho

Após 35 anos de formado e ter atuado nas mais diversas áreas que a profissão possibilita, o arquiteto e engenheiro civil paraense continua a contribuir com a sua experiência para o melhor da arquitetura de Belém. Num aconchegante café localizado no centro da capital paraense, ele bateu um papo com o The Green Club e falou de maneira bastante esclarecedora sobre a formação do arquiteto, as características que o mesmo precisa ter, o atual mercado de trabalho e as principais fases de elaboração do projeto de arquitetura.

TGC “Para o inicio da nossa conversa e melhor entendimento, conte-nos um pouco sobre a sua formação profissional.”

Gilberto: Eu sou da 7ª turma de formados em arquitetura da Universidade Federal do Pará (UFPA), me formei em 1974. Tenho a atribuição de Arquiteto e Engenheiro Civil porque todos os formados até 1976 tinham essa distinção licenciada pelo CREA-PA.

TGC “Agora que já estamos cientes de sua formação, conte-nos também sobre a sua atuação profissional.”

Gilberto: Ainda estudante, trabalhei como freelancer em agências de publicidade e também estagiei na DPJ, um dos primeiros escritórios de arquitetura de Belém. Depois de formado, trabalhei como autônomo, desenvolvendo projetos em casa e também em escritórios. Me especializei em projetos de postos de gasolina. Fui chefe de Planejamento de Tráfego do DETRAN Pará. Atuei na área da arquitetura industrial em mineradoras. Fui professor de design de interior na Unama (Universidade da Amazônia), mas tudo sempre em paralelo aos projetos particulares. Nunca deixei de projetar.

TGC “Sabemos que existem vocações para as mais diversas profissões, como: médico, advogado, etc. valendo-se disso, qual a principal característica que um interessado em estudar arquitetura precisa ter?”

Gilberto: Quem tem vontade de fazer arquitetura pode fazer tranquilamente, mas duas qualidades são muitos importantes: a primeira é ser muito curioso, buscar sempre mais, nunca se acomodar; a segunda é não ter medo, tem que arriscar novos horizontes. É fundamental para o arquiteto ser observador e curioso. Arquitetura é paixão e a pessoa precisa estar apaixonada pelo que faz.

TGC “No mundo atual, com as técnicas e tecnologias em constante atualização, tudo muda muito depressa. Quais as principais transformações que houveram no exercício da profissão de arquitetura da sua geração para os arquitetos que estão entrando agora no mercado de trabalho?”

Gilberto: Grande parte dos arquitetos atuais são “vítimas” da evolução tecnológica, que limita a criatividade. Não se pode fazer projeto na frente do computador. O projeto nasce de um problema que precisa ser solucionado, para isso é preciso desenhar, riscar, precisa colocar sua alma naquilo que faz, inclusive isso ajuda até na venda do projeto, porque você realmente se esforçou para transformar suas idéias num projeto funcional. É preciso saber vender uma ideia.

TGC “Belém é uma cidade de riquezas incomparáveis, fato esse que a faz ser conhecida como a “Metrópole da Amazônia”. Qual a principal contribuição que um arquiteto e urbanista pode oferecer à cidade numa perspectiva de torná-la melhor?”

Gilberto: Isso vale para tudo o que a arquitetura abrange: sempre as soluções devem ser pontuais de acordo com as necessidades. Belém vem de uma história de vida de desenvolvimento desordenado e atualmente uma das principais preocupações é a questão do desenvolvimento e conscientização cultural, a educação é muito importante para agregar valores às pessoas e, dessa forma, torná-las cidadãos conscientes.

Algumas imagens de Gilberto Lima Filho durante a entrevista

TGC “A concepção do projeto de arquitetura é fundamental em diversos pontos, como: melhor utilização dos espaços, funcionalidade, valorização estética da futura obra, etc. em sua opinião, o que deve prevalecer durante as fases de elaboração do projeto?”

Gilberto: O desenvolvimento de um projeto arquitetônico segue basicamente como uma receita de bolo: Programa de Necessidades, Pré-dimensionamento e Partido Arquitetônico. Seguindo essa seqüência e buscando solucionar os eventuais problemas que todo projeto arquitetônico apresenta, os resultados são sempre satisfatórios. Todo projeto tem que se fazer com profissionalismo, mas sem deixar de ser sonhador, se prevalecendo da liberdade para criar.

TGC “Tratando-se da prática do ensino de arquitetura e urbanismo nas faculdades brasileiras voltadas aos métodos tradicionais (sala de aula, livros, atelier de projeto), você acha que tais métodos precisam ser atualizados e o que poderia ser modificado ou complementado para a melhor formação do futuro arquiteto?”

Gilberto: Os professores, e profissionais em geral da área de arquitetura, têm que ser renovar. Sair da zona de conforto que a sala de aula proporciona e procurar novos métodos de ensino. Não pode ter medo de arriscar. Arquitetura é pesquisa, o profissional tem que ter a humildade de compreender que todo dia tá aprendendo.

TGC “Sabendo que a arquitetura influencia diretamente na organização de uma cidade. Qual/quais as influências diretas que um bom projeto de arquitetura exerce na vida e conforto do ser humano?”

Gilberto: A arquitetura está intimamente ligada ao modo de vida do ser humano, assim como o urbanismo. Um bom projeto reflete de maneira positiva ou negativa no ânimo e no bem estar do indivíduo. O projeto nasce de um problema. Dessa forma, o arquiteto e urbanista deve estar atento na rotina tanto da cidade (coletivo) quanto do sujeito (individual). Portanto, todo projeto deve ser diferenciado sendo ele de arquitetura ou mesmo de urbanismo.

TGC “Imagina-se que uma boa arquitetura e custos estão diretamente ligados, ou seja, quanto melhor se deseja o resultado da arquitetura, maior serão os gastos. Na sua opinião, isso é verdadeiro? Comente a relação custo x arquitetura?”

Gilberto: Arquitetura é racionalismo. Ter uma obra “BBB”: Boa, Bonita e Barata, é possível, mas o arquiteto não pode se “prostituir” profissionalmente. O segredo é criar os espaços belos e funcionais através dos materiais certos. Nunca focar apenas numa direção, numa linha de raciocínio, um bom profissional se doa, se entrega na criação de cada projeto a que está destinado a fazer. Porque quem faz o mercado é o profissional, independente da área.

TGC “Para os acadêmicos e interessados no curso de arquitetura e urbanismo, qual a principal reflexão que você tem a oferecer?”

Gilberto: Se você gosta de jogar bola, procura treinar para sempre melhorar. O mesmo vale para a arquitetura. Nós somos como computadores, captando informações certas e erradas para melhor propor as soluções e funcionamento dos projetos idealizados. Esse é um exercício necessário e pode ser válido para qualquer profissão. Se aperfeiçoe, sonhe, se recicle. Arquitetura é pesquisa, inovação, criatividade e dedicação.

Renato Lobato (The Green Club), Gilberto Lima Filho e Suéllen Conceição (The Green Club).

comentários

Antonio Rezende 28/4/2015 - 17h 27

Gostaria de entrar em contato com o arquiteto Gilberto Lima Filho. Alguém poderia me dar esta informação?

deixe seu comentário

* Seu comentário:


− 5 = one