8 fev

Entrevista com Ciro Pirondi

O arquiteto Ciro Pirondi é referência na prática da arquitetura e seu ensino. Ex-presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil –Nacional (92/94), atual diretor da Escola da Cidade, localizada em São Paulo, gentilmente apresentou as instalações da Escola, professores e alunos. Naquela oportunidade ele respondeu a algumas perguntas para o The Green Club.

Professor Ciro Pirondi

T.G.C.-A Escola da Cidade  tem uma forma diferente de estruturar-se, ela é bastante livre, a forma como os alunos participam das aulas e a estrutura curricular diferencia-se das faculdades tradicionais. Gostaria que o senhor falasse um pouco do funcionamento da Escola?

Professor Ciro Pirondi – A Escola da Cidade é uma associação de ensino sem fins lucrativos, uma espécie de cooperativa de professores e alunos.

O projeto pedagógico e o administrativo financeiro tendem a caminhar conjuntamente. As decisões são coletivas e um conselho pedagógico não departamentalizado decide e gere e Escola.

Do projeto pedagógico ressalto ser ele extremamente sintético, apenas uma disciplina por dia.

O Estúdio Vertical onde alunos de diferentes anos compõem as equipes, e três vezes por semana durante o ano se debruçam sobre o mesmo tema, com a orientação de distintas disciplinas.

A Escola Itinerante, com viagens e professores itinerantes pelo Brasil e América.

Toda semana, às quartas feiras, ocorre o “Seminário de cultura e Realidade contemporânea, com temas e convidados variados.

Há também as festas e os eventos permanentes, tanto na pós como na graduação.

Alunos trabalhando em sala de aula( Foto do acervo da Escola da Cidade)

T.G.C-Como a Escola da Cidade pôde tornar-se realidade?

Professor Ciro Pirondi – Uma certa dose de irresponsabilidade, uma ideologia clara, humanista e utópica com a educação. Uma dose imensa de afetividade e reconhecimento entre nós.

T.G.C.-O senhor disse que os alunos de diferentes séries assistem juntos as mesmas aulas.Como é possível essa flexibilidade?

Professor Ciro Pirondi – O princípio pedagógico é muito simples:

Quando lemos um livro do Machado de Assis com 15 anos , e depois o relemos com 30 é outro livro sem sê-lo. O mesmo se dá na aprendizagem; alunos com diferentes experiências  trocam muitas informações entre si, e aprendem a trabalhar coletivamente.

Se o ensino da arquitetura nos séculos XIX e XX foi a valorização do indivíduo, o do século XXI será do trabalho coletivo e transdisciplinar.

T.G.C-Qual a preocupação principal na formação dos Alunos de vocês?

Professor Ciro Pirondi – Formar cidadãos com uma visão crítica, capaz de transformar a realidade através da compreensão de que o ofício de arquitetura é o de um prestador de serviço à sociedade, tal qual um sapateiro ou varredor de rua.

"Quando lemos um livro do Machado de Assis com 15 anos , e depois o relemos com 30 é outro livro sem sê-lo"

T.G.C-Qual o número de professores e alunos?

Professor Ciro Pirondi – A proporção de alunos, monitores e professores na Escola da Cidade é de três    para um. Uma anomalia a ser resolvida.

T.G.C-O que é a Escola Itinerante ?E qual sua contribuição para a arquitetura e urbanismo?

Professor Ciro Pirondi – É uma Escola que viaja para locais pré- estabelecidos no projeto pedagógico. É uma disciplina obrigatória. O futuro do ensino da Arquitetura é ser transdisciplinar e itinerante. A Escola toda viaja pelo Brasil e América duas vezes ao ano.

A maior contribuição está na formação dos futuros arquitetos com base na realidade vista, sentida e estudada.

T.G.C-Para a nossa realidade amazônica ainda é muito caro estudar em São Paulo. O que deve fazer o aluno que sonha em estudar na Escola da Cidade, mas vive distante do eixo São Paulo – Rio de Janeiro? Existem bolsas para alunos que vivem e outros Estados do Brasil?

Professor Ciro Pirondi – Sonhar e querer muito, o demais deixe por nossa conta.

T.G.C-Vocês participaram de viagens em vários países da America Latina e sudeste brasileiro. Nestas viagens vocês realizam projetos com as comunidades locais?

Professor Ciro Pirondi – Sempre que possível sim. Agora mesmo estamos fazendo um projeto de uma escola para uma comunidade Xavante no Amazonas.

T.G.C-Existe a possibilidade de incluir a  Amazônia em uma dessas viagens?

Professor Ciro Pirondi – Creio ser urgente incluir a Amazônia. É uma falha  não termos ido ainda.

T.G.C-O edifício onde funciona a instituição  está localizada no centro da grande São Paulo.Algumas edificações antes degradadas na área  estão ganhando vida novamente, com a presença da Escola da Cidade. O senhor poderia nos contar um pouco dessa experiência.

Professor Ciro Pirondi – Estar no centro de uma cidade de 10 milhões de habitantes e ter com nome Escola da Cidade não foi por acaso. Nossa idéia é transformar o  entorno, com projetos e parcerias, como a “Passagem da cidadania”, a qual realizamos em conjunto com mais quatro ongs.

Fachada da Escola da Cidade,localizada no centro de São Paulo.

T.G.C-Quais são os planos da Escola da Cidade para o ano de 2011?

Professor Ciro Pirondi – Além de tudo, vamos realizar um curso de férias em junho de 2011, junto com o Instituto habitat do mestre Lelé, em Salvador (BA).

Em março, realizaremos uma Conferência Ibero Americana de Faculdade de Arquitetura para discutir o Ensino de Projeto.

Abril, como ocorre a cada dois anos, o seminário Internacional, desta vez com a presença de Escolas da Dinamarca, China, Espanha, Itália, e Argentina.

Muitas festas e incrementar a Editora Cidade, inclusive com uma revista.

Pedir a todos que tomem duas aspirinas para não terem mais nenhuma idéia para 2011.

comentários

carmen 16/2/2011 - 23h 55

Parabéns pela entrevista com o professor Ciro Pirondi! Verdadeira aula de inovação e inspiração para os alunos do curso de Arquitetura .

Trindade 2/3/2011 - 23h 04

Parabéns…
Muito interessante esse sistema. Não podemos ir ao sudeste e centro-sul pela distancia e custos. Mas talvez possamos sair mais da sala e interagirmos com a cidade. na nossa própria realidade.

deixe seu comentário

* Seu comentário:


8 × eight =