21 jul

TRAPICHE ELIEZER LEVY E A PEDRA DO GUINDASTE: dois símbolos na paisagem Macapaense.

A história amapaense, indubitavelmente é resultado de um longo processo de desenvolvimento relativo a vários contextos. É reflexo também das implantações monumentais que trilharam o caminho do crescimento urbano da cidade. Uma das obras contribuintes nesse processo trata-se então do Trapiche Eliezer Levy, situado na capital, Macapá.

Anos 60 - Barcos atracados no Trapiche Eliezer Levy. Fonte: http://macapabadonorte.blogspot.com/

A construção do trapiche deu-se início na década de 40, por iniciativa do então prefeito Moisés Eliezer Levy a mando do interventor do estado do Pará, o Tenente Coronel Magalhães Barata que conseguiu recursos para o início das obras, em homenagem, o trapiche passa a ser chamado “Trapiche Eliezer Levy”, possuindo originalmente 472 metros de comprimento.

Em uma das reformas o trapiche recebeu uma estrutura em concreto, onde ao fim funcionava um restaurante, que incluía em seu cardápio pratos regionais. Foi adicionado também um bondinho elétrico, que conduzia visitantes e turistas em uma pequena rota do início ao fim do trapiche. Em suma, o Trapiche Eliezer Levy contava com um restaurante, uma área coberta, uma sorveteria, uma pequena praça, assim como simples estações de embarque e desembarque de passageiros. A partir desse momento, as embarcações passaram a aportar em outro lugar.

Fonte:http://www.flickr.com/photos/erichmacias/158187065/sizes/z/in/photostream/

Vista da Beira-Rio para o Trapiche. Fonte:http://www.flickr.com/photos/erichmacias/158187065/sizes/z/in/photostream/

Após a conclusão, por algum tempo o Trapiche serviu como porto, funcionando como chegada e saída da cidade de Macapá.

O Trapiche Eliezer Levy, por um longo período, fez parte do contexto de atrações turísticas da cidade. Entretanto, atualmente se encontra em estado de abandono por falta de recursos para reformas e manutenção de elementos como o Bondinho.

Fonte:http://www.flickr.com/photos/erichmacias/148901792/sizes/z/in/photostream/

Bondinho instalado no Trapiche. Fonte: http://www.flickr.com/photos/erichmacias/148901792/sizes/z/in/photostream/

O trapiche passou por várias reformas, mas consolidou-se em um padrão estruturalmente permanente. Sua existência, sem dúvida, proporcionou um crescimento satisfatório nos parâmetros urbanos da cidade, bem como um elemento que se inseriu na história dos amapaenses em geral.

Fonte: http://www.flickr.com/photos/anteromarques/5194962943/sizes/z/in/photostream/

Extensão do Trapiche. Fonte: http://www.flickr.com/photos/anteromarques/5194962943/sizes/z/in/photostream/

Contudo, ao mencionarmos sobre o Trapiche, devemos impor atenção a outro elemento complementador, a Pedra do Guindaste, existente até hoje na paisagem da cidade macapaense.

A Pedra do Guindaste está situada à frente da orla da cidade, ao lado do Trapiche e próxima à Fortaleza de São José. Distancia-se por volta de 300 metros da margem do Rio Amazonas.

Fonte:http://www.flickr.com/photos/anteromarques/5194962943/sizes/z/in/photostream/

Pedra do Guindaste e imagem de São José de Macapá. Fonte:http://www.flickr.com/photos/anteromarques/5194962943/sizes/z/in/photostream/

Anteriormente à construção do trapiche, a Pedra do Guindaste servia de porto para pequenas embarcações. Entretanto, devido a um acidente envolvendo uma embarcação, a pedra original acabou sendo derrubada pela forte colisão. Contudo, foi construído em seu lugar um bloco de concreto cujo qual está fixada a estátua de São José, que é o símbolo religioso da cidade, considerado padroeiro de Macapá pelos católicos.

A referente estátua foi produzida por Antônio Ferreira da Costa, escultor português, a pedido que a construísse de modo que significasse uma proteção para navegantes que passassem pelo rio Amazonas.

O Folclore Amapaense tornou a Pedra do Guindaste um alvo de muitas lendas, dentre as quais, muitas ainda prevalecem até hoje muitas dessas lendas contam aparições sobrenaturais e símbolos típicos lendários da região amazônica como a cobra grande. O monumento também inspira poetas e cantores amapaenses assim como o trapiche e a Fortaleza de São José

O Trapiche Eliezer Levy e a Pedra do Guindaste representam para a população amapaense, atrativos de lazer e diversão que compõem o complexo da orla de Macapá, isso de fato, remonta à cidade, num agrupamento de monumentos e construções diversas que fazem parte de sua configuração urbana e o mais importante: contam a história do desenvolvimento da cidade ao passar dos anos, caracterizando-a como um lugar singular.

Referências:

www.setur.ap.gov.br/

http://macapabadonorte.blogspot.com/

Fotos:

http://www.flickr.com/photos/marcel_lima/3856170193/sizes/l/in/photostream/

http://www.flickr.com/photos/erichmacias/158187065/sizes/z/in/photostream/

http://www.flickr.com/photos/erichmacias/148901792/sizes/z/in/photostream/

http://www.flickr.com/photos/anteromarques/5194962943/sizes/z/in/photostream/

comentários

Paula Maggot 22/7/2011 - 19h 06

Katricia, adorei a forma como você descreveu dois importantes simbolos de Macapá. Parabéns!

Thayvid Fernandes 27/8/2011 - 22h 43

Estou em Macapá e moro em Brasília. Macapá me impressiona com sua beleza não tenho palavras para descrever o que é estar à beira do rio Amazonas e sentir a cidade.

deixe seu comentário

* Seu comentário:


8 × = two